Aumento na tarifa do trem do Corcovado pode parar na Justiça

A decisão do Instituto Chico Mendes (ICM-Bio RJ), órgão federal responsável pela administração do Parque da Tijuca, de majorar a taxa de visitação ao Cristo Redentor, que passou de cerca de R$ 5 para aproximadamente R$ 21, pode fazer o aumento da tarifa do trem do Corcovado parar na Justiça.

“Estamos recorrendo ao secretário estadual de Turismo, Cláudio Magnavita, e vamos ao ministro (do Turismo) Vinícius Lage. Mas se nada resolver, vamos ao Procon”, adiantou o presidente da regional Rio da Associação Brasileira de Agências de Viagem, George Irmes.

Segundo ele, a medida obriga às agências acolhedoras no Rio a quebrarem contratos, pois o preço de pacotes de cerca de 300 mil turistas estrangeiros que deverão desembarcar na cidade até o Réveillon foi fechado há cerca de um ano.

“Os pacotes para o Carnaval, por exemplo, são fechados ao fim do Carnaval anterior. Os preços foram contratados e já pagos”, disse Irmes. Segundo ele, as empresas terão que arcar com o custo decorrente do aumento da taxa, ou renegociar os contratos.

“Cobrávamos, em outubro, R$ 51 pela passagem e ficávamos com R$ 46. Agora, cobramos R$ 62, mas ficamos com R$ 36, por causa do aumento da taxa de visitação do parque embutida pelo ICM-Bio na tarifa do trem”, diz Administrador do trem do Corcovado, Sávio Neves. O reajuste começou a vigorar nesta quarta-feira.  O DIA tentou ouvir o ICM-Bio RJ sobre o aumento da taxa. A assessoria do órgão funciona em Brasília e não retornou as ligações.

Fonte: O Dia, 26/11/2014

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima