‘Ferrovia da Produção’: empresas internacionais demonstram interesse

Empresas de várias partes do mundo demonstraram interesse em investir na ferrovia que vai conectar Mato Grosso do Sul ao Porto de Paranaguá, informou o governador Reinaldo Azambuja. Mesmo de férias, ele participou de uma agenda pública em Maracaju, disse estar contente com o interesse dos empresários e contou que pretende estender um ramal até aquela cidade.

Com o nome de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), o edital de chamamento para empresas do setor de logística se manifestarem para a elaboração de estudos de viabilidade econômica da ferrovia foi lançado em novembro de 2017.

“Ficamos muito contentes com o interesse das empresas nesse edital. Isso mostra aquilo que a gente sempre idealizou, que é um edital extremamente com capacidade competitiva. Existem empresas do mundo inteiro olhando. Não são poucos os investimentos, estamos falando da casa de bilhões de reais para a construção de uma ferrovia nova, como essa, mas a presença dos grandes trades, das grandes empresas de transporte mundiais, nesses editais, nos dá a certeza de que esse é o caminho”, afirmou Reinaldo Azambuja.

Sobre o ramal a Maracaju, o governador disse não ter dúvida de que o projeto é viável. Maracaju é um dos maiores produtores de grãos de soja e milho de Mato Grosso do Sul e tem um papel importante também na produção de cana-de-açúcar e na pecuária.

As declarações foram feitas durante a feira agropecuária Showtec, que contou também com a presença do secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, José Richa Filho. “Quando fizemos o lançamento em São Paulo da ferrovia Ferroeste, que é a ferrovia da produção que ligaria Dourados – Cascavel – Paranaguá (a Ferroeste tem concessão a partir de Dourados) e nós dizemos que o Estado tem total interesse e o Município também e é isso que motivou a vinda do Pepe aqui hoje, que é o secretário de Infraestrutura do Paraná, para nós fazermos a extensão da concessão para ela ser um ponto de partida para o município de Maracaju”, disse o governador.

O secretário José Richa Filho declarou não ter dúvida da viabilidade da ferrovia por conta da produtividade agrícola dos dois estados. Juntos, Mato Grosso do Sul e Paraná são responsáveis por cerca de 30% de toda a produção de grãos do País. “Basta ver aqui, o crescimento dessa região é a olhos vistos. O estudo, não tenho dúvida nenhuma, mostrará a viabilidade, sim. O que dizíamos agora pouco: o pior cego é o que não quer enxergar. Até a topografia ajuda muito: tudo plano”, disse.

Com custo estimado de R$ 10 bilhões, a nova ferrovia terá extensão de mil quilômetros. Desses, somente 250 quilômetros já existem, no trecho entre Cascavel e Guarapuava. O restante será totalmente novo.

Fonte: O Pantaneiro, 19/01/2018

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima