SuperVia tem R$ 5 mi em multas em 5 anos

A SuperVia, concessionária que administra os trens urbanos no Rio de Janeiro, será multada pela Agetransp, agência reguladora dos transportes do estado, por falta de comunicação e atendimento aos passageiros e pela falha no plano de contingência após o descarrilamento na manhã desta quarta-feira (22). O valor, ainda não decidido, será somado aos R$ 5,28 milhões em multas aplicadas entre 2009 e 2013, por diversos motivos. Deste montante, apenas R$ 1,96 milhão foi pago, segundo a Agetransp.

Procurada pelo G1 no final da tarde de quarta, a SuperVia informou, na manhã de quinta (23), que o restante do valor continua sendo recorrido administrativamente. Sobre a multa do acidente desta quarta — por falhas no atendimento aos passageiros após trem que seguia da Central do Brasil para Saracuruna, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, descarrilar na altura da estação de São Cristóvão, na Zona Norte — a concessionária disse que vai recorrer. Depois de 13 horas de circulação parcial, às 18h15 todos os cinco ramais voltaram a operar normalmente.

14 multas desde 2009

No período de 2009 a 2013 foram aplicadas 14 multas, todas por situações consideradas graves. Entre as infrações está o uso indevido de cães de agentes de segurança em 2009. No mesmo ano, seguranças darem chicotadas nos passageiros para que as portas dos trens pudessem ser fechadas. Em 2010, um trem partiu sem maquinista, em outra infração.

Só nas três primeiras semanas de 2014, oito boletins de ocorrência gerados por incidentes envolvendo a concessionária já foram registrados pela Agetransp. No ano passado, foram 83, e em 2012, 73.

Contrato de concessão

A Odebrecht Transport assumiu o controle acionário da SuperVia há quase quatro anos e passou a administrar a malha ferroviária de 270 quilômetros, que cobre 12 municípios da Região Metropolitana. A previsão de investimentos no sistema de trens é de R$ 2,1 bilhões até 2020, dinheiro de um financiamento do BNDES.

Em contrapartida, o governo estadual se comprometeu a investir R$ 1,2 bilhão. Trinta novos trens entraram em operação em 2012, 60 estão sendo fabricados e outros 20 tiveram a compra antecipada, para começar a circular no primeiro semestre.

Apesar do investimento, ainda há graves problemas. Metade da frota tem idade média de 30 anos ou mais, como o trem que descarrilou nesta quarta e atingiu um pórtico de cerca de 50 anos. Há composições das décadas de 50 e 60 ainda em circulação. A previsão é que só em 2016 a frota seja 100% nova, com capacidade para transportar um milhão de passageiros por dia.

O número é inferior aos anos 80 quando os trens da antiga rede ferroviária chegaram a transportar um 1,3 milhão de passageiros diariamente. A média diária atualmente é de 600 mil usuários. A partir do dia 27,  a empresa promete aumentar em 15% a oferta de lugares nos trens. Ou seja, mais viagens diárias.

O acidente

O descarrilamento de um trem perto de São Cristóvão, às 5h15 desta quarta, não deixou feridos, mas causou queda de energia elétrica e interrompeu a circulação de três estações, justamente as mais próximas ao Centro da cidade: São Cristóvão, Praça da Bandeira e Central do Brasil.

Os ramais Saracuruna e Belford Roxo foram reabertos às 16h. Os trechos Santa Cruz, Japeri e Deodoro voltaram a operar às 18h15, 13 horas após a interrupção. Os intervalos eram regulares às 20h50, de 15 minutos entre cada partida.

Depois dos transtornos pela manhã, com passageiros andando pelos trilhos e sem saber como seguir viagem, o clima foi tranquilo e de poucos passageiros na Central no fim de tarde e início da noite, hora da volta para a casa. Na análise do secretário municipal de Transportes, Carlos Osório, grande parte dos usuários optou por voltar para casa de ônibus.

Muitos funcionários foram mobilizados para orientar os usuários. Nenhum transtorno ou tumulto foi registrado. O sistema especial de conexão, de caráter emergencial, entre a Central e São Francisco Xavier operou de forma ininterrupta. Os ônibus partiam cheios, mas os passageiros não esperaram muito para o embarque. O trajeto até São Francisco Xavier era cumprido com tempo médio de 40 minutos.

RF – Nota SuperVia

Quanto à aplicação de multa da Agetransp pelo ocorrido na última quarta-feira (22/01), a concessionária ainda não foi notificada oficialmente.

Sobre aos R$ 5,2 milhões em multas aplicadas pela Agetransp no período entre 2009 e 2013, a SuperVia informa que está pagando regularmente de acordo com a legislação.

Fonte: G1-RJ, 23/01/2014

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima