Os principais desafios do setor metroferroviário

Promissor, o segmento metroferroviário brasileiro tem grandes desafios pela frente, segundo lideranças empresariais presentes à NT Expo – 17ª Negócios nos Trilhos, principal encontro do segmento na América Latina que aconteceu no Expo Center Norte, em São Paulo. O aumento da malha ferroviária, integrando o Norte e Norte com o Sul e Sudeste, e a renovação da frota nacional são alguns dos assuntos da agenda de ações do setor para os próximos anos.

Durante a 2ª Edição do Rail Brazil Tech & Business Summit, evento paralelo à NT Expo, o presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), Vicente Abate, apresentou detalhes da proposta de renovação da frota nacional que foi encaminhada para o Governo Federal. “A necessária substituição das locomotivas e vagões tem o objetivo de modernizar a frota, mas é essencial, também, para acabar com a montanha russa da indústria nacional, promovendo a sustentabilidade. Houve anos que registramos queda de 80% na cadeia que atende o setor”, explicou.

Para o presidente executivo da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), Gustavo Bambini, um dos grandes desafios do setor é ampliar a malha, que hoje é concentrada no Sul e Sudeste. Ele chamou a atenção, também, para o novo marco regulatório do segmento que o governo pretende implantar e que cria um modelo que separa o gestor do operador da malha. “Alguns contratos só vão expirar em 2026 e será necessário, portanto, uma adaptação para que os dois modelos funcionem simultaneamente”, disse.

Instituto Nacional de Pesquisas Ferroviárias pode iniciar as atividades em 2015

Dez anos após o início dos estudos para sua implantação, o Instituto Nacional de Pesquisas Ferroviária (PNPF) pode iniciar suas atividades em 2015. Quem garante é o diretor de Infraestrutura Ferroviária do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Mário Dirani. Ele também proferiu palestra na 2ª Edição do Rail Brazil Tech & Business Summit, evento paralelo à NT Expo. “O instituto já tem a aprovação do Ministério do Transporte. O próximo passo é definir sua sustentabilidade financeira e modelagem jurídica”, destacou.
Dirani disse que algumas áreas já estão sendo estudadas para a instalação do local onde funcionará a sede ou área de pesquisas do INPF. “Temos três opções: a área da antiga rodoferroviária de Brasilia, uma área próxima da Estação Barão de Mauá, no Rio de Janeiro, ou a Estação Boa Vista, em Campinas”. O Instituto tem o objetivo de unificar as pesquisas realizadas sobre o segmento e promover, também, a formacão profissional, treinamento, normatização e certificação.

Livro sobre Engenharia Ferroviária é lançado no Espaço Inovação+Mobilidade

O engenheiro Rui José da Silva Nabais, mestre em Engenharia de Transportes pela Coppe/UFRJ, lançou, durante a NT Expo – 17ª Negócios nos Trilhos, o Manual Básico de Engenharia Ferroviária, produzido pela editora Oficina de Textos. Ele fez a apresentação da obra no Espaço Inovação+Mobilidade.

A publicação reúne a colaboração de profissionais com especialização em estudos operacionais, projeto, manutenção e material rodante, tornando-se um material de referência para consulta para profissionais e estudantes do setor de transporte ferroviário. A obra aborda os conceitos básicos; as principais noções sobre equipamentos, operação e manutenção da via permanente; e todas as etapas de um projeto de ferrovia, englobando estudos operacionais, básicos e de infraestrutura.

Fonte: – Abifer/ Painel Logístico – 12/01/2015

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima